29 março 2011

O PRIMEIRO ROBÔ ASTRONAUTA - HUMANÓIDE, NA ESTAÇÃO ESPACIAL INTERNACIONAL


Engenheiros e cientistas da NASA e da fabricante de veículos General Motors desenvolveram, em parceria, uma nova geração de robôs humanoides capaz de trabalhar com humanos “lado a lado”, usando as mesmas ferramentas. O primeiro astronauta humanoide partiu junto com a tripulação, rumo à Estação Espacial Internacional no último vôo de um ônibus espacial da Nasa, em 24 de fevereiro deste ano.
O Robonaut 2, ou simplesmente R2, pesa 136 kg e é mais rápido que a versão original, um protótipo concebido há dez anos, e capaz de usar suas mãos para trabalhos intricados.
“O R2 pode operar com segurança ao lado de pessoas, uma necessidade tanto no espaço quanto na Terra”, diz comunicado da Nasa.
Segundo Mike Coats, diretor do Centro Espacial Johnson (um dos braços da Nasa, com sede em Houston), o R2 também poderá ir onde os riscos são muito grandes para pessoas.

VIDEO: NASA INTRODUCES ITS NEW ROBOT



Inicialmente o R2 vai trabalhar apenas no laboratório Destiny. Com aprimoramentos futuros, poderá movimentar-se por toda estação, e até fora do complexo.
A primeira parceria da Nasa com a GM foi firmada na década de 1960, para desenvolvimento dos sistemas de navegação das missões Apollo. A construção do primeiro jipe lunar também contou com a colaboração da empresa. Os “subprodutos” tecnológicos decorrentes da empreitada serão aproveitados pela indústria automotiva.

ÔNIBUS ESPACIAL DISCOVERY FOI LANÇADO RUMO À SUA ÚLTIMA MISSÃO


O lançamento do ônibus espacial Discovery para a sua última missão ocorreu após uma série de adiamentos por conta de vazamentos, problemas elétricos e rachaduras nos tanques externos. A equipe também sofreu baixas, com a substituição do especialista Tim Kopra - que se machucou após cair da bicicleta, pelo astronauta Steve Bowen. Após os reparos, a Discovery retornou ao complexo de lançamento 39A, no Centro Espacial Kennedy.

VIDEO: ROBONAUT 2 DEMONSTRATION AT KENNEDY SPACE CENTER



A missão STS-133 leva seis astronautas e um robo humanoide à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). A equipe deve permanecer no espaço durante 11 dias, levando novos instrumentos ao posto orbital. Para instalá-los, duas caminhadas no espaço serão feitas pelos especialistas Steve Bowen e Alvin Drew.
Será a 35ª viagem de um ônibus espacial à ISS. O programa de ônibus espaciais da Nasa será aposentado até o final de 2011, com o vôo final da Endeavour, na missão STS-134, e da Atlantis – mesmo após ter sido anunciado o fim do uso desta nave em 2010.

A TRIPULAÇÃO


Da esquerda para a direita, os tripulantes da missão STS-133, a última da Discovery: Nicole Scott, Michael Barratt, Alvin Drew, Steve Bowen, Eric Boe e Steve Lindsey, comandante da tripulação (Foto: Nasa)

23 março 2011

ARTE UNDERGROUND

Arte Underground é um termo que procura descrever as formas de arte que estão distantes do mainstream do mundo da arte, é ilegal, tabu, não convencional, rebelde ou revolucionária. Geralmente ela desafia ou rejeita o status quo cultural de alguma forma, e pode envolver doses extremas de originalidade e experimentação, em termos de conteúdo, forma ou contexto.
Os artistas underground tendem a distanciar-se com as normas e tradições da cultura mainstream, mas as instituições, a mídia e as empresas freqüentemente tentam associar-se com os chamados movimentos de vanguarda e underground como uma maneira de apelar aos jovens, freqüentemente cansados das audiências. Algumas formas de arte que podem ser considerados underground incluem graffiti e arte de rua, punk relativo à arte e design, arte de protesto, a arte que sai dos movimentos internacionais de agachamento e comunidades intencionais e algumas formas de arte performática.
O termo arte underground pode ser considerado paradoxal no sentido de que assim que esta arte passa a ser definida ou publicizada, deixa de ser verdadeiramente underground.

21 março 2011

URBEX


A exploração urbana, ou urbex, é o hobby de visitar locais abandonados, como fábricas, túneis, catacumbas, linhas de trem e metrô, teatros, cinemas ou cidades.
Alguns desses ‘exploradores urbanos’ resolveram unir a adrenalina de se aventurar por esses lugares à arte da fotografia. O resultado são imagens impressionantes, que mostram que também há beleza na desordem e na decadência.


Para chegar aos lugares mais interessantes, os exploradores, muitas vezes, tem que desrespeitar algumas regras, a não ser uma: "não tirar nada que não sejam fotografias e não deixar nada além de pegadas".


A prática da exploração urbana pode ser considerada arriscada.
"Urbex também significa entrar sem autorização em propriedades alheias e há riscos inerentes, como a presença de seguranças, cachorros, sensores de movimentos, prisões...", diz o fotógrafo Scott Haefner.


"Outros riscos estão relacionadas à estrutura dos edifícios, à exposição a produtos químicos ou outras substâncias."

VIDEO: PRE-METRO | ANTWERP, BELGIUM an underground project




CHERNOBYL

Quando se fala de exploração urbana, uma referência inevitável é a cidade de Pripyat, na Ucrânia, abandonada depois de um acidente nuclear no início da madrugada de 26 de abril de 1986.


Uma explosão no reator 4 da usina de Chernobyl provocou o mais grave acidente nuclear da história, liberando uma quantidade de radiação 400 vezes maior do que a da bomba atômica lançada sobre Hiroshima. Milhares de moradores abandonam suas casas, deixando para trás uma cidade inteira em ruínas, um cenário congelado no tempo à disposição dos fotógrafos aventureiros.

VIDEO: CHERNOBYL E PRIPYAT - CIDADE FANTASMA



Embora se calcule que Pripyat levará quase mil anos para voltar a ser um local seguro, a cidade se transformou na Meca dos exploradores urbanos, que percorrem o mundo atrás de fábricas, vilarejos, parques de diversão, laboratórios, prédios e qualquer outra construção abandonada pelo homem.
Para Dave Baker, fundador do site Talk Urbex, "É o lugar mais emocionante. Caminhar pelas mesmas ruas e ver tudo como era quando ocorreu o incidente. É difícil imaginar a emoção que se pode sentir".

http://www.talkurbex.com/


URBEX NO BRASIL


Em novembro de 2010, o Urbex Brasil foi criado por Clecio Antão, que teve o primeiro contato com a exploração urbana em 2007, ao visitar um vilarejo de Ararapira, no litoral norte do Paraná. Conhecida como Cidade-Fantasma, Ararapira começou a ser abandonada por seus moradores em meados do século XX, depois da construção de um canal que corrói as margens e engole as casas lentamente. Na época, Clecio só caminhou pelas ruas de terra e observou as construções abandonadas. Mas como costuma ocorrer aos integrantes da ‘tribo’, foi assaltado por uma espécie de encantamento.

VIDEO: URBEX NO BRASIL



Para adaptar o urbex à realidade brasileira, Clecio não pratica a “infiltração” e costuma pedir autorização antes de entrar. “Em muitos países da Europa, invadir locais abandonados não é considerado crime. No Brasil, além de ser ilegal, temos sérios problemas de violência”.
Além de Ararapira, para onde voltou em 2010 para fotografar, Clecio já explorou Paranapiacaba e seu cemitério de trens, a estação Luiz Carlos, em Guararema, e os prédios abandonados da Vila Maria Zélia, uma das primeiras vilas operárias paulistas, localizada no bairro do Belenzinho.

http://www.urbex.com.br/


DOCUMENTÁRIOS:

EXPLORATION - THE RUINS OF NEW YORK




CRACK THE SURFACE - URBAN EXPLORATION DOCUMENTARY

EPISÓDIO 1



EPISÓDIO 2



NISSAN TERRANAUT: UM CARRO PARA A CIÊNCIA

A Nissan criou um carro-conceito pensando em exploradores cientistas, geólogos, arqueólogos e aventureiros, onde o escritório está sempre à mão. Projetado para transpor todas, ou quase todas as barreiras naturais terrestres, o Terranaut deve atender aos anseios de mobilidade extremada dos off-roaders.
Seu interior abriga um tipo de “laboratório esférico”, que é acessado a partir de um assento giratório (360 graus), permitindo ao pesquisador o acesso a todas as ferramentas necessárias à prospecção científica: computadores, equipamentos de medição geológica e arqueológica, mas perfeitamente dispostos. Um ambiente hi-tech, ergonômico e confortável - um laboratório com vista panorâmica.
O espaço interno pode abrigar até três pessoas, pois a porção traseira é dedicada à formação de um ambiente de trabalho especializado, incluindo, claro, a comunicação via satélite. O veículo ainda conta com um frigobar capaz de armazenar comida e bebida para uma semana.
O aspecto externo pode ser considerado agressivo e funcional. Enormes caixas de roda abrigam rodas aro 19 pol. calçando pneus específicos para aplicação off-road (pneus a prova de furos, Goodyear), além de um amplo curso para a suspensão. Os pneus especiais possuem conformação mutante. O conceito prevê que o aspecto dos pneus se torne mais agressivo em função da variação da pressão - um furo, por exemplo, provocaria a expansão da borracha tornando o pneu mais volumoso e sólido.
O Terranaut possui a estrutura da carroçaria em formato assimétrico. Para permitir a acomodação do laboratório na parte traseira, uma das laterais do carro - do lado do passageiro, possui apenas uma porta. O outro lado - do motorista, há duas portas que se abrem em sentido oposto e para o alto, perpendicularmente, facilitando o acesso. Ainda, não há coluna B do lado do motorista, uma configuração insólita.
Serviço:
Comprimento: 4965mm
Altura: 2150mm
Largura: 2100mm
Selos envolvidos no projeto: Seiren, Vimo, Textile Bounding, Alveo, Trêves, Guilford, Technicoat e BASF"

14 março 2011

INTERNET É PALCO DE GUERRA

O WikiLeaks e o seu fundador, Julian Assange, vêm sofrendo uma forte pressão internacional, principalmente por parte dos Estados Unidos, desde que começaram a divulgar um pacote de mais de 250 mil mensagens diplomáticas secretas americanas, em dezembro do ano passado.
Como parte dessa pressão, as operadoras de cartões de crédito Visa e Mastercard e a empresa de pagamentos na internet PayPal bloquearam as doações ao portal.
Assange criticou duramente a ação em um comunicado divulgado na Austrália.
"Agora sabemos que Visa, Mastercard e PayPal são instrumentos da política externa dos Estados Unidos. É algo que ignorávamos". A denúncia acontece depois de as empresas citadas, assim como a Amazon, terem rompido seus vínculos com o WikiLeaks.
Assange disse que continua comprometido com a divulgação de documentos secretos dos Estados Unidos, apesar da condenação de Washington e de outros países.
"Esse processo aumentou minha determinação de que as informações são verdadeiras e corretas. Faço uma chamada a todo o mundo para que se proteja meu trabalho e a minha gente destes ataques ilegais e imorais", disse.
Deste modo, ativistas online lançaram a operação Payback para "vingar" o WikiLeaks de empresas e entidades que consideram como responsáveis por obstruírem operações do site.
A Mastercard, que deixou de permitir doações ao WikiLeaks, teve o serviço de autenticação de pagamentos online interrompido. A VISA também está sob ataque.
O grupo de hackers ativistas ‘Anonymous’, que assumiu a autoria do ataque, atingiu diversos alvos - incluindo o site dos promotores que acusam o fundador do Wikileaks, Julian Assange, de estupro.
A empresa de pagamentos PayPal, que deixou de permitir doações ao WikiLeaks, após o Departamento de Estado americano determinar que as atividades do WikiLeaks eram ilegais nos Estados Unidos, também foi atacada. Outras empresas que se afastaram do WikiLeaks, como o banco suíço PostFinance, que congelou a conta de Assange, também sofreram ataques.
O grupo também ajudou a criar sites espelhos para o WikiLeaks, após seu provedor americano retirá-lo do ar.
A Netcraft, empresa de segurança, diz que 1,6 mil computadores agiram na ação.


1 - ANONYMOUS - operação BLING por superalbertofilho

Antes dos ataques, um membro do Anonymous que se intitula Coldblood disse que várias ações estavam sendo executadas. "Sites que estão se curvando à pressão governamental se tornaram alvos", disse o hacker. "Como organização, nós sempre defendemos uma sólida posição sobre censura e liberdade de expressão na internet e nos voltamos contra os que buscam destruí-la por qualquer meio."
Segundo Coldblood, o "WikiLeaks se transformou em algo maior do que o vazamento de documentos e tornou-se o palco de uma batalha do povo contra o governo".

A empresa processadora de pagamentos do Wikileaks, a Datacell, da Islândia, disse que vai mover uma ação de indenização contra Visa e Mastercard. "É difícil acreditar que empresas tão grandes como a Visa podem tomar uma decisão política", disse o presidente da empresa, Andreas Fink. Em uma declaração anterior, a DataCell defendeu o Wikileaks concluindo que "é simplesmente ridículo concluir que o site tenha feito algo criminoso".

Como consequência da guerra cibernética, o site de relacionamentos Facebook e o microblog Twitter excluíram contas de ativistas on-line que promoveram ataques. O Facebook confirmou que havia excluído a página Operation Payback, operada por ativistas. O Twitter se recusou a comentar. A campanha ressurgiu no Twitter logo depois, com o uso de outra conta.
O Wikileaks comentou que a série de ataques cibernéticos era um reflexo da opinião pública. “Essa série de ataques parece ter se originado de uma reunião virtual conhecida como Anonymous. Este grupo não é afiliado ao Wikileaks. Não há contato entre funcionários do Wikileaks e qualquer pessoas do Anonymous. O Wikileaks não recebeu qualquer informação prévia sobre as ações do Anonymous", diz o comunicado. O porta-voz do grupo, Kristinn Hrafnsson, disse no documento que "não condenamos nem aplaudimos estes ataques. Acreditamos que eles sejam um reflexo da opinião pública sobre as ações de seus alvos.”

LULA DEFENDE O WIKILEAKS
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, engrossaram o coro dos que criticam a detenção do australiano em Londres, a pedido da Suécia. "O rapaz que estava desembaraçando a diplomacia americana foi preso e não estou vendo nenhum protesto contra a (violação da) liberdade de expressão", lamentou Lula, em discurso na reunião de balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Lula também defendeu que o Blog do Planalto deveria fazer “o primeiro protesto contra a liberdade de expressão na internet”.

O presidente ressaltou que Assange tem sua solidariedade, e reiterou que a responsabilidade pela divulgação dos telegramas não é do jornalista australiano. "Se ele leu, foi porque alguém escreveu. Logo, o culpado é quem escreveu", argumentou.


2 - Lula apóia o Wikileaks por superalbertofilho

Cerca de duas horas depois, foi a vez de Putin questionar a prisão do fundador do site que tem divulgado documentos secretos dos Estados Unidos. "Se falamos de democracia, é necessário que seja total. Por que Assange foi preso? Isso é democracia?", questionou o premiê. Como Lula, Putin está na contramão de outros governos, que acusam o site de colocar em risco a segurança global. "É preciso começar olhando para nossos próprios pés. A bola está no campo de nossos colegas americanos, agora", ironizou.

ENTENDA O CASO
Em agosto de 2010, um mês depois da divulgação, pelo WikiLeaks, de 9000 documentos secretos do Exército americano sobre a Guerra do Afeganistão, a Justiça da Suécia expediu dois mandados de prisão contra Assange, um deles por estupro e o outro, por agressão sexual. A acusação da Justiça sueca é a de que, durante uma sessão de sexo consensual, seu preservativo se rompeu, tendo sido retirado – o que na Suécia é equivalente a estupro (pena de dois anos de prisão). Uma das denunciantes, Ana Ardin (a outra é Sofia Wilen), alega que Assange rompeu a camisinha de propósito. Ardin é cubana, anticastrista, e consta que trabalhou para ONGs financiadas pela CIA.
Assange estava então na Suécia para uma série de palestras, depois que o Partido Pirata local aceitou acolher vários servidores do Wikileaks, diante da perseguição das autoridades dos Estados Unidos. Enquanto a Polícia sueca procurava Assange, surgiam, na Internet, denúncias sobre uma possível conspiração contra ele. Pouco depois, a Justiça sueca anunciou a retirada da ordem de prisão.
O porta-voz do Pentágono, Bryan Whitman, declarou que qualquer insinuação sobre uma eventual conspiração do Departamento de Defesa dos Estados Unidos contra Assange seria "absurda".
Em 1º de setembro, a justiça da Suécia reabriu o processo contra Assange. No dia 20 de novembro, as autoridades suecas pediram à Interpol que ele fosse capturado, com fins de extradição.

Em 28 de novembro, WikiLeaks voltou à carga, divulgando mais de 250 mil documentos diplomáticos confidenciais do Departamento de Estado dos Estados Unidos. Os documentos revelam, por exemplo, como o governo dos EUA, mais precisamente a Hillary Clinton, deu instruções a seus diplomatas para que atuassem como espiões e recolhessem informações sobre líderes políticos e nas Nações Unidas, inclusive dados bio-métricos e cartão de crédito do secretário geral da ONU, Ban Ki-moon. Como sempre, as informações foram repassadas a cinco grandes jornais do mundo, dentre os quais, The New York Times, Le Monde e The Guardian.


3 - WikiLeaks libera 250 mil documentos... por superalbertofilho

Dois dias depois, em 30 de novembro, a Interpol distribuiu em 188 países, uma notificação vermelha. O advogado de Assange, Mark Stephens, declarou ser "muito incomum" que se emita uma notificação vermelha em casos semelhantes ao do seu cliente. Stephens observou também que o promotor sueco pediu que Assange fosse detido sem acesso a advogados, a visitantes ou a outros presos.
Em 7 de dezembro de 2010, às 9h30 no horário local, Julian Assange apresentou-se à Polícia Metropolitana, em Londres. Ele negou a acusação de crimes sexuais contra duas mulheres na Suécia. Desde então fundador da organização ficou detido em uma cela de isolamento na prisão de segurança máxima de Wandsworth, onde teve a correspondência censurada. Sua mãe, Christine Assange, falou por telefone durante dez minutos com ele e recebeu uma mensagem, depois transmitida ao canal de televisão australiano Seven Network: "Faço um apelo a todo o mundo para que meu trabalho e meus seguidores sejam protegidos desses ataques ilegais e imorais", dizia um trecho da mensagem.


4 - Christine Assange transmite mensagem de Julian por superalbertofilho

ASSANGE VENCE A PRIMEIRA BATALHA, MAS A GUERRA ESTAVA APENAS COMEÇANDO...
Em 14 de dezembro, Julian Assange foi julgado por um tribunal de Londres, obtendo sua libertação mediante o pagamento de fiança no valor de 240 mil libras esterlinas (cerca de R$ 637 mil). Enquanto isso, Assange deveria comparecer diariamente a uma delegacia de polícia, cumprir um toque de recolher e usar um rastreador eletrônico. Ainda, o juiz determinou o confisco do passaporte dele. A decisão foi anunciada pelo juiz Howard Riddle, da corte de Westminster. A princípio, foi informado por Mark Stephens, advogado de Assange, que os representantes do ministério público da Suécia não pretendiam apelar da sentença. Todavia, posteriormente, a advogada Gemma Lindfield informou à Corte de Magistrados da cidade de Westminster que os promotores suecos desejam apelar da ordem de fiança, o que deveria ocorrer no prazo de 48 horas.


5 - Julian Assange na corte em 14.12.2010 por superalbertofilho

No dia 16 de dezembro de 2010, Assange foi libertado pela justiça britânica, após a negação do recurso da promotoria sueca contra sua liberdade condicional. Enquanto isso, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos busca provar que Assange encorajou ou ajudou o soldado Bradley Manning a extrair do sistema de computadores do governo material militar reservado e arquivos do Departamento de Estado. Uma das supostas provas é a gravação de um chat (bate-papo) no qual Bradley afirma ter se comunicado com Assange, por meio de um sistema encriptado.
Segundo o jornal The New York Times, promotores de Washington já trabalham na construção de um caso contra Assange. Com isso, as autoridades americanas pretendem processar o fundador do WikiLeaks por conspiração.


Julian Assange faz primeiro discurso após prisão por superalbertofilho

WIKILEAKS: DAQUI TÊM ORIGEM OS CONFRONTOS NA TUNÍSIA, NO EGITO E DEPOIS NA LIBIA. DAÍ A INDICAÇÃO PARA O NOBEL DA PAZ EM 2011
Em 2 de fevereiro deste ano, o parlamentar norueguês Snorre Valen - autor da proposta, anunciou a indicação do site WikiLeaks para ganhar o prêmio Nobel da Paz de 2011.
Para Valen, o WikiLeaks é "uma das contribuições mais importantes para a liberdade de expressão e transparência" no século XXI.
O parlamentar optou por indicar o próprio site ao prêmio e não seu fundador, Julian Assange. Vale lembrar que o líder do projeto foi detido em dezembro, acusado de estupro por duas suecas e corre o risco de ser condenado à morte nos EUA.
Valen afirma em seu blog (http://www.snorrevalen.no/2011/02/02/why-i-have-nominated-wikileaks-for-the-nobel-peace-prize/) que “O WIKILEAKS É UM CANDIDATO NATURAL AO NOBEL DA PAZ POR “EXPOR CORRUPÇÃO, CRIMES DE GUERRA E TORTURA”, ALÉM DE TER DIVULGADO INFORMAÇÕES QUE AJUDARAM A DERRUBAR UMA DITADURA DE 24 ANOS NA TUNÍSIA”.


7 - Wikileaks é indicado ao Prêmio Nobel da Paz por superalbertofilho

AQUI COMEÇA A FARSA DO PEDIDO DE EXTRADIÇÃO DE JULIAN ASSANGE A MANDO DO GOVERNO NORTE-AMERICANO
Em 24 de fevereiro de 2011, o juiz britânico Howard Riddle aprovou a extradição do fundador do Wikileaks, Julian Assange, para a Suécia. O país quer interrogá-lo no âmbito de acusações de que ele teria violentado e agredido sexualmente duas mulheres, embora não tenha sido formalmente acusado. Advogados de Assange argumentavam que ele não obteria um julgamento justo na Suécia.
No entanto, o australiano de 39 anos nega as acusações, embora admita ter mantido relações sexuais com as duas mulheres. Segundo ele, o caso é motivado politicamente pelo vazamento de milhares de documentos confidenciais da diplomacia americana e documentos secretos sobre as guerras do Iraque e do Afeganistão.


8 - Começa a farsa do pedido de extradição de... por superalbertofilho

Seus advogados argumentaram que o mandado de prisão foi emitido para puni-lo por suas opiniões políticas, e enviá-lo à Suécia seria um passo para que ele seja transferido aos Estados Unidos.
'Existe um risco real de que, se ele for extraditado à Suécia, os EUA buscarão sua extradição e/ou rendição ilegal aos EUA, onde haveria o risco real de ele ser detido na Baía de Guantánamo ou em qualquer outro lugar...', disse o documento.
'De fato, se o sr. Assange for entregue aos EUA...há um risco verdadeiro de que ele poderá estar sujeito à pena de morte', afirmou.
O governo norte-americano está examinando se acusações criminais podem ser feitas contra Assange pela publicação de documentos diplomáticos que revelaram informações sensíveis como aquelas indicando que o rei saudita Abdullah pediu repetidas vezes aos Estados Unidos que atacasse o programa nuclear do Irã.
* Com informações da EFE e France Presse


9 - A declaração judicial sobre a extradição de... por superalbertofilho

WIKILEAKS - Cai o porta-voz de Hillary
No dia 14 de março de 2011, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Philip Crowley, pediu demissão do cargo depois de ter criticado o Pentágono pelo tratamento dispensado ao soldado Bradley Manning, suspeito de ter repassado ao site dedicado a vazamento de informações WikiLeaks milhares de telegramas diplomáticos e militares dos EUA. Crowley qualificou a atitude do Pentágono como "ridícula" e "contraproducente". O Pentágono vem sendo acusado de tratar Manning de forma desumana na prisão.


10 - PJ Crowley ‘desiste’ depois de comentar... por superalbertofilho

09 março 2011

ROGER WATERS ADERE AO BOICOTE CULTURAL A ISRAEL



O fundador da banda inglesa Pink Floyd, Roger Waters, aderiu ao boicote internacional contra Israel e apela aos colegas da indústria da música e a artistas de outras áreas para aderirem também. O anúncio de adesão ao boicote cultural aconteceu neste domingo (06).
A música "Another Brick in the Wall Part 2" serviu de hino da juventude negra sul-africana contra o apartheid e mais tarde também foi cantada por jovens palestinos contra o muro que Israel construiu nos territórios ocupados.

O roqueiro disse que resolveu se juntar à campanha mundial – Global BDS Movement - Boicote, Desinvestimento e Sanções para a Palestina (http://www.bdsmovement.net/), criada por organizações pró-palestina, para pressionar Israel a cumprir as exigências já feitas pela ONU, como o fim da ocupação e colonização de todas as terras árabes, a destruição do muro que separa Israel do território palestino, o reconhecimento dos direitos dos cidadãos árabes-palestinos e a permissão para que os refugiados voltem para suas casas. “O muro é um edifício revoltante”, disse o baixista.
Leia na íntegra a carta aberta divulgada pelo músico britânico.



CARTA ABERTA DE ROGER WATERS



Em 1980, uma canção que escrevi, "Another Brick in the Wall Part 2", foi proibida pelo governo da África do Sul porque era usada por crianças negras sul-africanas para reivindicar o seu direito a uma educação igual. Esse governo de apartheid impôs um bloqueio cultural, por assim dizer, sobre algumas canções, incluindo a minha.

Vinte e cinco anos mais tarde, em 2005, crianças palestinas que participavam num festival na Cisjordânia usaram a canção para protestar contra o muro do apartheid israelita. Elas cantavam: “Não precisamos da ocupação! Não precisamos do muro racista!” Nessa altura, eu não tinha ainda visto com os meus olhos aquilo sobre o que elas cantavam. Um ano mais tarde, em 2006, fui contratado para atuar em Telavive.

Palestinnos do movimento de boicote acadêmico e cultural a Israel exortaram-me a reconsiderar. Eu já tinha me manifestado contra o muro, mas não tinha a certeza de que um boicote cultural fosse a via certa. Os defensores palestinos de um boicote pediram-me que visitasse o território ocupado para ver o muro com os meus olhos antes de tomar uma decisão. Eu concordei.

Sob a proteção das Nações Unidas, visitei Jerusalém e Belém. Nada podia ter me preparado para aquilo que vi nesse dia. O muro é um edifício revoltante. Ele é policiado por jovens soldados israelitas que me trataram, observador casual de um outro mundo, com uma agressão cheia de desprezo. Se foi assim comigo, um estrangeiro, imaginem o que deve ser com os palestinos, com os subproletários, com os portadores de autorizações. Soube então que a minha consciência não me permitiria afastar desse muro, do destino dos palestinos que conheci, pessoas cujas vidas são esmagadas diariamente de mil e uma maneiras pela ocupação de Israel.

Em solidariedade, e de alguma forma por impotência, escrevi no muro, naquele dia: “Não precisamos do controle das idéias”.
Tomando nesse momento consciência que a minha presença num palco de Telavive iria legitimar involuntariamente a opressão que estava a testemunhar, cancelei o concerto no estádio de futebol de Telavive e mudei-o para Neve Shalom, uma comunidade agrícola dedicada a criar pintainhos e também, admiravelmente, à cooperação entre pessoas de crenças diferentes, onde muçulmanos, cristãos e judeus vivem e trabalham lado a lado em harmonia.

Contra todas as expectativas, ele tornou-se no maior evento musical da curta história de Israel. 60.000 fãs lutaram contra engarrafamentos de trânsito para assistir. Foi extraordinariamente comovente para mim e para a minha banda e, no fim do concerto, fui levado a exortar os jovens que ali estavam agrupados a exigirem ao seu governo que tentasse chegar à paz com os seus vizinhos e que respeitasse os direitos civis dos palestinos que vivem em Israel.
Infelizmente, nos anos que se seguiram, o governo israelita não fez nenhuma tentativa para implementar legislação que garanta aos árabes israelitas direitos civis iguais aos que têm os judeus israelitas, e o muro cresceu, inexoravelmente, anexando cada vez mais da faixa ocidental.

Aprendi nesse dia de 2006 em Belém alguma coisa do que significa viver sob ocupação, encarcerado por trás de um muro. Significa que um agricultor palestino tem de ver oliveiras centenárias ser arrancadas. Significa que um estudante palestino não pode ir para a escola porque o checkpoint está fechado. Significa que uma mulher pode dar à luz num carro, porque o soldado não a deixará passar até ao hospital que está a dez minutos de estrada. Significa que um artista palestino não pode viajar ao estrangeiro para exibir o seu trabalho ou para mostrar um filme num festival internacional.

Para a população de Gaza, fechada numa prisão virtual por trás do muro do bloqueio ilegal de Israel, significa outra série de injustiças. Significa que as crianças vão para a cama com fome, muitas delas mal nutridas cronicamente. Significa que pais e mães, impedidos de trabalhar numa economia dizimada, não têm meios de sustentar as suas famílias. Significa que estudantes universitários com bolsas para estudar no estrangeiro têm de ver uma oportunidade escapar porque não são autorizados a viajar.

Na minha opinião, o controle repugnante e draconiano que Israel exerce sobre os palestinos de Gaza cercados e os da Cisjordânia ocupada (incluindo Jerusalém oriental), assim como a sua negação dos direitos dos refugiados de regressar às suas casas em Israel, exige que as pessoas com sentido de justiça em todo o mundo apoiem os palestinos na sua resistência civil, não violenta.
Onde os governos se recusam a atuar, as pessoas devem fazê-lo, com os meios pacíficos que tiverem à sua disposição. Para alguns, isto significou juntar-se à Marcha da Liberdade de Gaza; para outros, juntar-se à flotilha humanitária que tentou levar até Gaza a muito necessitada ajuda humanitária.

Para mim, isso significa declarar a minha intenção de me manter solidário, não só com o povo da Palestina, mas também com os muitos milhares de israelitas que discordam das políticas racistas e coloniais dos seus governos, juntando-me à campanha de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) contra Israel, até que este satisfaça três direitos humanos básicos exigidos na lei internacional.
1. Pondo fim à ocupação e à colonização de todas as terras árabes [ocupadas desde 1967] e desmantelando o muro;
2. Reconhecendo os direitos fundamentais dos cidadãos árabo-palestinianos de Israel em plena igualdade; e
3. Respeitando, protegendo e promovendo os direitos dos refugiados palestinos de regressar às suas casas e propriedades como estipulado na resolução 194 das NU.

A minha convicção nasceu da ideia de que todas as pessoas merecem direitos humanos básicos. A minha posição não é anti-semita. Isto não é um ataque ao povo de Israel. Isto é, no entanto, um apelo aos meus colegas da indústria da música e também a artistas de outras áreas para que se juntem ao boicote cultural.
Os artistas tiveram razão de recusar-se a actuar na estação de Sun City na África do Sul até que o apartheid caísse e que brancos e negros gozassem dos mesmos direitos. E nós temos razão de recusar atuar em Israel até que venha o dia – e esse dia virá seguramente – em que o muro da ocupação caia e os palestinos vivam ao lado dos israelitas em paz, liberdade, justiça e dignidade, que todos eles merecem.

Tradução do Comité Palestina

A POLÊMICA ENTRE JUDEUS E ROGER WATERS


Em setembro de 2010, a Anti-Difamation League(ADL) ou Liga Anti-Difamação, criticou Roger Waters pela utilização de imagens com uma clara associação dos judeus com dinheiro, em uma parte do show de abertura de sua turne mundial 2010-2011, "The Wall Live Tour", em Toronto, Canadá, que teve como objetivo criticar a barreira de separação israelense da Cisjordânia.

Durante sua performance de "Goodbye Blue Sky", uma animação projetou imagens de aviões soltando bombas em forma da Estrela de David judaica seguida por cifrões.
Roger Waters (67), um ativista declarado, sempre criticou abertamente a política de Israel nos territórios ocupados. "É uma construção horrenda, esta coisa", disse para a imprensa, já em 2006.

VIDEO: PINK FLOYD | LIVE IN TORONTO | GOODBYE BLUE SKY |



Abraham H. Foxman, Diretor Nacional da ADL, emitiu uma declaração dizendo que "é escandaloso que Roger Waters optou por utilizar a associação de uma Estrela de Davi judaica com o símbolo de cifrões. Enquanto ele insiste que sua intenção era criticar Israel pela cerca na Cisjordânia, o uso de imagens em um ambiente de concerto de rock deixa uma mensagem aberta à interpretação, o significado poderia ser facilmente confundida com um comentário sobre judeus e dinheiro."
"É claro que Waters tem todo o direito de expressar suas opiniões políticas sobre o conflito entre israelenses e palestinos através de sua música e dramaturgia. Entretanto, as imagens que ele escolheu, quando colocadas juntas na mesma seqüência, chega numa linha de anti-semitismo.

"Queremos que Waters escolha outra forma de transmitir seu ponto de vista político, sem tocar no velho conceito anti-semita, sobre os judeus e sua suposta obsessão e ganância por dinheiro," acrescentou.

WATERS NARRA CURTA-METRAGEM SOBRE “THE WALL” ISRAELITA‎


Em agosto de 2009, as Nações Unidas foram palco da première de “Walled Horizons”, curta-metragem, com 15 minutos de duração, narrado por Roger Waters, e que fala dos sofrimentos dos palestinos causados pela “barreira de segurança” que Israel ergueu para evitar a entrada de terroristas vindos da Cisjordânia.

“A razão para haver muros é sempre o medo, sejam os muros pessoais, sejam muros como este, que governos amedrontados constroem ao redor deles mesmos”, diz Waters.
“Eles são sempre a expressão de uma insegurança profundamente enraizada”, acrescenta.

VIDEO: WALLED HORIZONS – NARRADO POR ROGER WATERS

PARTE 1




PARTE 2




Israel justifica a construção do muro, que começou em 2003, com a onda de ataques terroristas que chegaram ao auge em 2002.

“Me enche de horror, o pensamento de viver em uma prisão gigantesca como esta”, declarou Waters, enquanto pichava o muro de separação em Belém com os dizeres “We don’t need no thought control” (”Não precisamos que controlem nossos pensamentos”), verso da célebre “Another Brick in The Wall”, do álbum “The Wall” de 1979.

Os organizadores do projeto afirmam que o objetivo do filme é conscientizar as pessoas em todo o mundo sobre o impacto do muro na vida dos palestinos, cinco anos após a decisão da corte internacional.

DIA DAS MULHERES PARA QUÊ?

Acredito que a cada ano o dia 8 de março tende a perder sua força e ficará sem sentido muito em breve. Por quê?

Eu explico. Mesmo com o forte contexto que gerou esta data, ela remete a um período onde a visão das mulheres sob si próprias era outro, numa época em que “ganhar um dia” foi uma grande vitória. Passadas algumas décadas, a mulher de hoje conquista o que quer e não tardará para que seu domínio no mundo empresarial torne esta data inócua.

Domínio? Sim, porque quem estuda mais, é mais concentrada e obstinada no alcance de objetivos e metas terá cada vez mais sucesso e, consequentemente, poder. As mulheres já são responsáveis por 66% de toda a renda familiar brasileira, mesmo ganhando menos para realizar as mesmas tarefas que os homens. Há 15 anos, uma mulher ganhava o equivalente a 30% do salário de um homem, na mesma função. Hoje, este percentual já é de 70% e, a tendência, é que em um espaço de tempo muito menor tenhamos uma isonomia e, em seguida, uma inversão nos percentuais.

Aprofundando a análise sob o ponto de vista profissional, segundo o IBGE, a escolaridade média das mulheres urbanas é de 9,2 anos contra o máximo de 8,2 dos homens. Hoje, 22% dos cargos mais elevados (presidentes e CEOs) estão nas mãos das mulheres, sendo que há 13 anos eram apenas um pouco mais de 10%.

Sob outro ângulo, analisando a mulher consumidora, temos um cenário de domínio mais consolidado. A mulher brasileira forma o 10º maior mercado feminino do mundo, responsável por 62,9% do PIB de 2009. A mulher da classe C, principalmente, é ainda mais forte como consumidora e ganhou espaço em mercados tradicionalmente masculinos, como na compra e manutenção de automóveis - 36% dos gastos no segmento de serviços automobilísticos está nas mãos das mulheres, 42% dos carros novos vendidos no Brasil pertencem ao público feminino e cerca de 30% das aquisições feitas pelos homens têm influência direta das mulheres, segundo pesquisa da fabricante Renault, realizada com sete mil pessoas em vários estados.

No Brasil, as mulheres respondem ainda por 94% das compras de mobiliário doméstico, 92% dos pacotes de viagens, 88% dos planos de saúde, 82,3% das decisões de compra de itens de alimentação familiar, 67% das escolhas das opções de lazer, entretenimento e 53% dos serviços bancários e compra de eletrônicos. Se não bastassem todos estes dados, em 51,22% das vezes quem decide o que o homem veste é a mulher.

No mundo digital elas já representam 47% dos usuários brasileiros, passando 39 horas semanais na web, contra 21 horas assistindo TV e cerca de 7 horas semanais em sites de mídias sociais – uma hora a mais do que os homens. Atualmente, 92% das internautas brasileiras além de manter o computador ligado enquanto assistem TV, cultivam o hábito de enviar e receber e-mails enquanto acompanham os seus programas preferidos. Deste total, 83% afirmam que, ao ver um comercial interessante na TV, buscam na web mais detalhes sobre o produto, sendo que para apenas 8% das entrevistadas a propaganda em redes sociais é considerada invasiva, contra 19% dos homens.

Vamos agora cruzar as informações que disponibilizei neste texto: mais estudo, mais dedicação, mais foco na conquista dos objetivos, crescimento na hierarquia das empresas, mais renda, maior poder de decisão na compra da maioria dos produtos, incluída digitalmente, com hábitos amigáveis à propaganda, tornando-a mais importante no alvo de campanhas publicitárias.

Voltemos então à primeira linha deste texto: Dia 8 de março pra que?

Blog do Bira Miranda
Aqui: http://www.b1comunicacao.com.br/biramiranda/dia-da-mulher-uma-visao-sobre-a-consumidora-e-a-profissional/

02 março 2011

LADY GAGA LANÇA NOVO CLIPE - "BORN THIS WAY"

O clipe de Lady Gaga para a música “Born This Way” estreou segunda-feira (28) na internet. Em mais um extravagante produção, a cantora encarna duas personagens extraterrestres e, para isso, implantou próteses, nos ombros, testa e maçãs do rosto.
Na introdução do novo vídeo, a cantora lê um texto em que fala do "nascimento de proporções magníficas e mágicas", em um lugar chamado G.O.A.T. (Government Owned Alien Territory - Território Alienígena Pertencente ao Governo), de uma criatura livre de preconceitos e julgamentos que deu origem a uma nova raça. Mas, no mesmo dia, um outro nascimento, mais horripilante, acontece: o do mal.

O clipe fala da convivência entre essas duas criaturas e parece tentar aproximar os rejeitados defendidos por Gaga dos agressores dos ‘little monsters’ (pequenos monstros, expressão usada pela cantora para definir os próprios fãs). A cantora tem discutido, nos últimos tempos, a questão do ‘bullying’. Ambas mães - tanto a dos aliens "bonzinhos" quanto a do demônio - são interpretadas no vídeo pela própria Gaga.
Em clima sombrio, a performance da música só começa aos 2min22s do vídeo, que tem ao todo mais de sete minutos e é escrito pela própria cantora, dirigido por Nick Knight e coreografado por Laurie Ann Gibson, com produção executiva de Vincent Herbert.



“Born This Way” é o single que dá nome ao novo disco da cantora, que chega às lojas em 23 de maio e será composto por 13 temas. O anúncio foi feito pela própria durante o discurso de aceitação do prêmio de Vídeo do Ano, no MTV Video Music Awards.

No último mês de dezembro, a cantora deu entrevista para falar sobre o álbum e revelou que o sucessor de The Fame Monster (2009) seria "mais poético": "É, de uma forma muito estranha, o casamento entre música eletrônica com essa coisa épica, me atrevo até a dizer metal ou rock 'n' roll ou até um pop com estilo de hino, com batidas dançantes. É certamente o trabalho mais inovador que fiz até hoje."

Lady Gaga vai lançar duas versões do videoclipe de "Born This Way". A cantora revelou a notícia no Gayle King Show, contando que uma delas será uma versão acústica da música, que será lançada no iTunes e terá parte se seu lucro revertido para uma instituição de caridade, dedicada a combater o ‘bullying’.

“BORN THIS WAY” ESTRÉIA, AO VIVO, NO 53º GRAMMY AWARDS
A temática alienígena do vídeo combina com a tão falada atuação de Lady Gaga na 53.ª edição dos Grammy Awards, em 13 de fevereiro, onde o single foi apresentado ao vivo pela primeira vez. A artista passou pela passadeira vermelha da gala dentro de um casulo carregado por vários homens e, segundo a imprensa internacional, permaneceu na redoma até à sua entrada em palco, três horas mais tarde.
A canção já é a número um em 14 países.



BODY ART: RICK GENEST NO NOVO VIDEOCLIPE DE LADY GAGA
Rick Genest, conhecido por ‘Zombie Boy’, é o modelo canadense de 24 anos que tem presença freqüente em revistas de Body Modification, por ter tatuado um esqueleto ao longo de todo o corpo - o que lhe custou 4.000 dólares e muitas horas para finalizá-la.
Quando atingiu certa idade Rick, se tornou fã de zumbis dos filmes do George Romero e queria se tornar um. Enfim, a coisa mais próxima que ele poderia conseguir era se tatuar como um. Suas tatuagens celebram a arte da obscenidade e do macabro.

Genest ,diz que se tornou uma pessoa mais feliz e agradável após ter feito suas tatuagens. Começou a receber convites para vários tipos de eventos e diz que sua vida mudou para melhor.
Odeia imitões, diz que a pessoa tem que ser original e não sair copiando a tatuagem dos outros. Além disso, afirma que acharia legal se mais pessoas tivessem um rosto tatuado em forma de crânio, o que seria fantástico.

O Zombie Boy foi descoberto pelo stylist de Gaga, Nicola Formichetti, que resolveu pegar onda no casting de modelos com aparência não usual como a modelo transexual Lea T, o albino Steven Thompson ou o andrógino Andrej Pejic.



NOVA COLEÇÃO DA THIERRY MUGLER AO SOM DE LADY GAGA Nicola Formichetti é conhecido mundialmente como o personal stylist de Lady Gaga. Mas esse não é o único feito do italiano no mundo da moda.
Formichetti é o novo diretor criativo da Thierry Mugler e lançou sua primeira coleção prêt-à-porter masculina, embalado no mais novo e inédito som da diva do pop.
As roupas são da temporada outono/ inverno 2011/12 e o rosto da coleção é o modelo Rick Genest, conhecido como Zombie Boy (vendo as imagens, você entende o porquê).
Após desfilar para a Mugler e posar para as lentes de Steven Klein, o rapaz tem como mais novo feito estrelar o novo videoclipe de Lady Gaga, onde, inclusive, a cantora aparece com imitações de implantes subdermais no rosto.



LADY GAGA + SUPREME + TERRY RICHARDSON para PURPLE Magazine
Lady Gaga é a estrela da campanha da marca americana Supreme. A cantora foi clicada por Terry Richardson, que também foi o diretor de arte da campanha.
No ensaio, Gaga aparece em poses ousadas – em algumas delas nua – usando camisetas, skates e bolsas com o logo da marca de pegada skater que já teve suas peças promovidas por muitos skatistas conceituados.
Nem mesmo no ensaio, que teve stylist de Nicola Formichetti, a cantora deixou de usar os seus já habituais sapatos plataforma.
As fotos da campanha foram divulgadas pela Purple Magazine de verão.



BANKSY PROMOVE DOCUMENTÁRIO NO OSCAR


Para ajudar a promover um filme no Oscar, estúdios e patrocinadores gastam milhões de dólares em marketing de todos os tipos. Para o artista britânico Banksy, cujo trabalho “Exit Through the Gift Shop” concorreu como melhor documentário, bastou fazer umas pequenas intervenções pela cidade de Los Angeles.

VIDEO: BANKSY AT THE 2011 OSCARS



O grafiteiro misterioso, que nunca revelou a identidade, espalhou suas imagens pela cidade duas semanas antes da premiação, provocando uma euforia entre os admiradores de sua arte de rua - chega-se a quebrar o muro dos locais em que os desenhos aparecem para vendê-los depois na internet.

VIDEO: OUTDOOR NA SUNSET BOULEVARD



Tudo começou com uma intervenção realizada em um outdoor publicitário, com Mickey e Minnie, bebendo e fumando enquanto se divertiam ao lado da imagem de uma modelo. A empresa do outdoor não aprovou a brincadeira e retirou a imagem exposta dentro de um posto de gasolina da Sunset Boulevard – ao contrário dos publicitários da Ligh Group, que criaram a propaganda.
“Achamos uma honra, na real”, declarou a porta-voz Beth Bartolini ao “Los Angeles Times”. Nada boba, a empresa pegou a imagem e anunciou que irá expô-la em Las Vegas.

MURO É ARRANCADO EM HOLLYWOOD


Em seguida veio o desenho de um Charlie Brown incendiário, retratado atrás uma casa abandonada na mesma avenida. Um fã, sabendo do valor do trabalho, arrancou literalmente o bloco de parede e o vendeu no eBay por US$ 8.100 (veja o vídeo).

MURO DE BANKSY É ARRANCADO EM HOLLYWOOD



STENCIL DE BANKSY PROMOVE ROMARIA EM HOLLYWOOD


“Vi o seu documentário na aula de arte e adorei o seu trabalho. Seus comentários políticos são muito interessantes”, afirma o estudante Bryant Irawan, de 17 anos. Ele e a irmã caçula Stacey, de 14, foram tirar fotos do único trabalho de Banksy ainda intacto na cidade: a imagem de um garoto com uma metralhadora carregada de gizes de cera.
O desenho, feito atrás da Urban Outfitters da avenida Westhood é o novo ponto turístico de Hollywood. Durante os 15 minutos de observação no local, mais de 20 pessoas foram até lá para se fotografarem ao lado do muro.

VIDEO: GRAFITE ATRÁS DA URBAN OUTFITTERS NA AVENIDA WESTHOOD



“Desde que o Banksy fez o retrato, há uma semana, o número de clientes dobrou”, explica John Hauser, gerente regional da loja de roupas. Por pouco isso não aconteceu: descontente com o grafite, o dono do imóvel pediu para jogarem tinta sobre o desenho.
“Nós intervimos e garantimos que o grafite continuasse no prédio. Todos da Urban admiram o trabalho de Banksy e não iremos removê-lo ou alterá-lo”, diz Hauser. Curiosamente, a loja já vende um livro do artista, com um best of de seus trabalhos.

“EXIT THROUGH THE GIFT SHOP”


Desde que o documentário “Exit through the gift shop” foi selecionado, ninguém sabia ao certo se Bansky iria aparecer ou não na cerimônia do Oscar. Como a Academia não aceitou que ele fosse mascarado, o artista não confirmou sua presença.
Banksy se mostrou feliz com a indicação ao Oscar , "É uma grande surpresa", disse em um comunicado o grafiteiro. "Não concordo com o conceito de cerimônias de premiação, mas posso abrir uma exceção às quais eu sou indicado", continuou o artista no texto. Ele ainda declarou que "o último homem pelado pintado de ouro que esteve em minha sala fui eu", em uma referência à estatueta de premiação do Oscar.

VEJA AQUI O DOCUMENTÁRIO COMPLETO - "EXIT THROUGH THE GIFT SHOP" - LEGENDADO



No doc, Banksy aparece escondido em sombras e tem a voz distorcida.
"Exit Through the Gift Shop" retrata o ambiente de artistas de rua pelo mundo, através da ótica de Thierry Guetta, também conhecido como Mr Brainwash. O filme reflete a importância e a efemeridade da arte moderna e seus discursos, fazendo uma crítica ao consumismo.